A biblioteca mágica de Paris

QUE LIVRO! UAU!

Nina George escreveu um livro fantástico, história já vista por aí (desencontros de amores, vinícolas, livreiros…) mas tão delicada! Tão singela… me tocou. Acabei o livro com um sorriso no rosto.

RESUMO: Uma história emocionante de amor, de perda, e do poder dos livros. O livreiro parisiense Jean Perdu sabe exatamente que livro cada cliente deve ler para amenizar os sofrimentos da alma. Em seu barco-livraria, ele vende romances como se fossem remédios. Infelizmente, o único sofrimento que não consegue curar é o seu: a desilusão amorosa que o atormenta há 21 anos, desde que a bela Manon partiu enquanto ele dormia. Tudo o que ela deixou foi uma carta — que Perdu não teve coragem de ler. Até um determinado verão — o verão que muda tudo e que leva Monsieur Perdu a abandonar a casa na estreita rue Montagnard e a embarcar numa jornada que o levará ao coração da Provence e de volta ao mundo dos vivos. Sucesso de público e crítica, repleto de momentos deliciosos e salpicado com uma boa dose de aventura, “A livraria mágica de Paris” é uma carta de amor aos livros — perfeito para quem acredita no poder que as histórias têm de influenciar nossas vidas.

Amei esse livro, li em 2 dias. Na minha cabeça, o tempo todo, este é Jean Perdu:

Jean Dujardin, o ator.

Adoraria ver essa história nas telonas.

Anúncios
Publicado em e-book, Filmes, Kobo, Livros | Marcado com | Deixe um comentário

Tragédia

E quando sem querer você deleta sua pasta de ebooks e não consegue mais achá-la no computador? Não está na lixeira, não está na área de trabalho, simplesmente sumiu…

Todos aqueles livros que você ia ler, e já nem lembra  mais quais são apenas SUMIRAM.

Senta, chora um pouquinho e começa tudo de novo.

UPDATE: Ou então você reza para o Santo Backup dos Arquivos Perdidos e acha boa parte do que você queria num HD externo com backup atualizado. Viva a tecnologia!  

\o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/

Publicado em e-book, Internet, Kobo, Livros | Deixe um comentário

13 razões

Acabei de ler OS 13 PORQUÊS, que é o livro que originou a série da Netflix (trailer abaixo). Achei legal, bem interessante… um livro para nos fazer pensar em como tratamos as pessoas.

Ensino médio é um período bem maluco. Estamos descobrindo a vida, descobrindo a nós mesmos, e alguns comportamentos podem ser bem sofredores.

No meu ensino médio me deram vários apelidos. Nenhum muito constrangedor. Um dos apelidos era bem parecido com a lista em que a Hannah Baker aparece no livro. Quem leu, sabe. Mas nunca aconteceu nenhum tipo de violência comigo por causa disso.

Estou aqui, vivendo. Atravessei a adolescência relativamente numa boa.

Mas entendo que para algumas pessoas, isso possa ser extremamente sofredor.

Este livro me fez querer prestar atenção em como trato as pessoas. A gente nunca sabe o que se passa com elas.

Publicado em e-book, Filmes, Internet, Livros | Marcado com , | Deixe um comentário

Ken Follet nas telas

umafortperig.jpgAcabei de ler UMA FORTUNA PERIGOSA, do amado Ken Follet, mais uma história maravilhosa de intrigas familiares, traição, amores proibidos, e toda aquela coisa linda que ele escreve.

Sempre que leio livros do Ken, fico pensando como seria um filme sobre suas histórias, como seria a cara dos personagens, suas casas, todos os lugares.

Pois bem, algumas das histórias do Ken Follett viraram filmes ou mini séries! Posso satisfazer essa curiosidade!

O livro que acabei de ler tem uma versão alemã, que ainda não assisti, mas pretendo!

 

Outros livros que foram filmados são:

  • MUNDO SEM FIM

 

  • OS PILARES DA TERRA

 

  • O TERCEIRO GÊMEO

 

 

Estes são as filmagens de alguns dos livros que já li, mas vi que tem outros que AINDA não li, mas já tem filmes também:

  • A CHAVE DE REBECCA
  • O BURACO DA AGULHA

 

Lendo tudo em 3,2,1…

 

Publicado em e-book, Filmes, Internet, Livros | Marcado com | Deixe um comentário

Um lugar chamado liberdade

Eu já li quase todos os livros deste senhor Ken Follett que existem em português (mesmo de Portugal). E cada livro que leio ele sobe mais na minha lista de autores preferidos. Dessa vez li esse aí do lado, UM LUGAR CHAMADO LIBERDADE.

Adorei essa história. Segue o mesmo estilo dos outros livros, famílias grandes, detentoras de terras, casamentos de negócios, mulheres fortes, grandes amores e o alguma parte do mundo real de fundo.

SINOPSE: Desde pequeno, Mack McAsh foi obrigado a trabalhar nas minas de carvão da família Jamisson e sempre ansiou por escapar. Porém, o sistema de escravidão na Escócia não possui brechas e a mínima infração é punida severamente. Sem perspectivas, ele se vê sozinho em seus ousados ideais libertários.

Durante uma visita dos Jamissons à propriedade, Mack acaba encontrando uma aliada incomum: Lizzie Hallim, uma jovem bela e bem-nascida, mas presa em seu inferno pessoal, numa sociedade em que as mulheres devem ser submissas e não têm vontade própria.

Apesar de separados por questões políticas e sociais, os dois estão ligados por sua apaixonante busca pela liberdade e verão o destino entrelaçar suas vidas de forma inexorável.

Das fervilhantes ruas de Londres às vastas plantações de tabaco da Virgínia, passando pelos porões infernais dos navios de escravos, Mack e Lizzie protagonizam uma história de paixão e inconformismo em meio a lutas épicas que vão marcá-los para sempre.

Muito bom!

Mas diferentemente dos outros livros dele, esse é bem curto, só tem 400 páginas. A história corre muito rápido. E fiquei curiosa pra saber o que acontece depois do final… parece que a história deveria continuar. Mas isso não diminui meu sentimento pelo livro. Maravilhoso.

Publicado em e-book, Kobo, Livros | Marcado com , | Deixe um comentário

Vampiros

capa_a noite malditaÉ sempre uma emoção ler André Vianco, porque ele ambienta suas histórias em lugares que eu conheço! Não basta a história ser em São Paulo, ele detalha ruas, lugares, monumentos… me insiro totalmente dentro do livro. Nesse em específico além das ruas e bairros de São Paulo, tem uma cidade do interior que eu conheço.

Li A NOITE MALDITA, e nem sabia que é um livro daqueles que são escritos depois da história toda mas contando o começo de tudo (como chama? Prequel?). A história desse livro é anterior ao BENTO que se não me engano foi o primeiro sucesso do André. Eu não tinha reparado nisso até perguntar pra minha prima (fã de carteirinha do André) se esse livo tem sequencia, daí ela me contou que ele é o início da história do BENTO.

Daí toda a história fez sentido, porque um local que aparece nesse livro é o mesmo do BENTO e me lembrei na hora da história toda…

André acertando em cheio de novo! Adorei esse livro.

Publicado em e-book, Kobo, Livros, Sem-categoria | Marcado com | Deixe um comentário

2017

E começamos mais um ano… em 2017 pretendo continuar lendo muito, como faço a muitos anos (graças ao KOBO).

Estatisticamente, nunca li tanto como em 2016: 50 livros! Ultrapassei a meta de 2016 em 15 livros. Para este ano, aumentei minha meta em 10 livros. Acredito que vou alcançá-la. Se depender dos lançamentos que vi por aí, até que é pouco (não estou achando o link da reportagem, que prevê mais de 400 lançamentos para 2017).

UPDATE: O link das publicações desse ano aqui.

Caso não abra:

Fazer uma lista de (quase) todos os livros que devem ser publicados no ano não é tarefa fácil. É bem difícil, para falar a verdade. Daniel Dago, porém, conseguiu listar as pretensões das editoras brasileiras para 2017. A lista foi publicada no Gazeta do Povo.

Dago, que é tradutor de holandês, é um investigador do mercado editorial e costuma divulgar muitas informações em sua página no Facebook, explicou ao Gazeta que a lista foi elaborada com base em pesquisa nos principais jornais do Brasil, assim como bancos de dados, entrevistas e conversas.

Entre os livros, estão edições inéditas e também reedições. Os autores vão de James Joyce a Hilda Hilst, de Milton Hatoum a Owen Barfield. São 431 livros. Veja a lista:

Aleph
“Cat’s cradle”, de Kurt Vonnegut (trad. Livia Marina Koeppl)

“Solaris”, de Stanisław Lem (trad. Eneida Favre)
“Nós”, de Ievguêni Zamiátin (trad. Gabriela Soares da Silva)

Alfaguara
“Uma virgem boba”, de Ida Simmons

“O simpatizante”, de Viet Thanh Nguyen
“O comprometido”, de Viet Thanh Nguyen
“Romancista como vocação”, de Harumi Murakami
“A canção do pássaro de corda”, de Harumi Murakami
“Cobertor de estrelas e Duas praças”, de Ricardo Lísias (reedição)
“Menina escrevendo com o pai”, de João Anzanello Carrascoza
“A pela da terra”, de João Anzanello Carrascoza
“Caderno de um ausente”, de João Anzanello Carrascoza
“O rei de Havana”, Pedro Juan Gutiérrez

Amarylis
“Stálin”, de Oleg Khlevniuk

“Beethoven”, de Jan Swafford
“Wilde”, de Matthew Sturgis
“Tempos difíceis”, de Charles Dickens
“Oliver Twist”, de Charles Dickens
“Nicholas Nickelby”, de Charles Dickens
“Por Dois Mil Anos”, de Mihail Sebastian

Arqueiro
“Ninfeias negras”, de Michel Busse

“Diário de uma paixão”, de Nicholas Sparks
“A Chave de Rebecca”, de Ken Follett

Ateliê Editorial
“A trágica história do Doutor Fausto”, de Christopher Marlowe (trad. C. Galindo, L. Bueno, M. Frungillo)

“Epigramas”, de Marcial (trad. Rodrigo Garcia Lopes)
“Dicionário de pseudônimos literários”, de Luís Pio Pedro
“História das livrarias cariocas”, de Ubiratan Machado

Arte e Letra
“A Peça intocada”, de Luci Collin

Livro de Virgínia Woolf ainda sem título
“Azul”, de Rubén Darío
“O ladrão de corpos seguido de O diabrete da garrafa”, de Robert Louis Stevenson
Livro de Elena Garro ainda sem título
“As lembras do porvir”, de Elena Garro
“Dialogue”, de Robert Mackee

Autêntica
“Interrogando o real”, Slavoj Žižek (trad. Rogério Bettoni)

“Heidi”, de Johanna Spyri (trad. Karina Jannini)
“Alice no país das maravilhas”, de Lewis Carroll (trad. Márcia S. Guimarães)
“Alice através do espelho”, de Lewis Carroll (trad. Márcia S. Guimarães)
“O mágico de Oz”, de L. Frank Baum (trad. Luís Reyes Gil)
“Peter Pan”, de J. M. Barrie (trad. Cristina Antunes),
“Tarzan”, de Edgar Rice Burroughs (trad. Márcia S. Guimarães)
“Viagens de Gulliver”, Jonathan Swift (trad. Maria Valéria Rezende)
“Numa pensão alemã”, de Katherine Mansfield (trad. Rogério Bettoni)
“Bliss and other stories”, de Katherine Mansfield (trad. Rogério Bettoni)
“The garden party and other stories”, de Katherine Mansfield (trad. Rogério Bettoni)
“The dove’s nest and other stories”, de Katherine Mansfield (trad. Rogério Bettoni)
“Something childish and other stories”, de Katherine Mansfield (trad. Rogério Bettoni)
Livros de Torquato Neto ainda sem título
Livros de Victor Giudice ainda sem título
“Vila dos confins”, de Mário Palmério
“Chapadão do Bugre”, de Mário Palmério
“Vaca de nariz sutil”, de Campos de Carvalho
“A chuva imóvel”, de Campos de Carvalho
“O púcaro búlgaro”, de Campos de Carvalho
“O espantalho inquieto”, de Campos de Carvalho (org. Noel Arantes)
“Em busca do real perdido”, de Alan Badiou
“O diário de Anne Frank” (HQ), de Mirella Sipnelli

Âyiné
“Blocos”, de Ferdinand Bordewijk (trad. Daniel Dago)

“Vida interrompida”, de Etty Hillesum (trad. Mariângela Guimarães)
“Max Havelaar”, de Multatuli (trad. Daniel Dago)
Dois livros de Wisława Szymborska
“Autores, livros, aventuras” (título provisório), de Kurt Wolff (trad Flavio Quintale)
“Homo poeticus”, de Danilo Kiš (trad. Aleksandar Jovanovic)
“Jardim, cinzas”, de Danilo Kiš (trad. Aleksandar Jovanovic)
“Leitura das Cinzas”, de Jerzy Ficowski (trad. Piotr Kilanowski)
“Antologia Poética”, de Jerzy Ficowski
Ensaios de Pier Paolo Pasolini
“Pró ou contra a bomba atômica”, de Elsa Morante (trad. Davi Pessoa)
“O que é a poesia”, de Paul Valéry
“Com Borges”, de Alberto Manguel
“From the other shore”, de Herzen
“Os pensamentos”, de Leopardi
“A marca do editor”, de Roberto Calasso
“Instituições do mundo muçulmano”, de Giorgio Vercellin (trad. Pedro Fonseca)

Bertrand Brasil
“Estranheza mortal”, de Nora Roberts

“O triturador”, de Niall Leonard

Biblioteca Azul
“Obras completas – vol. B e C”, de Adolfo Bioy Casares (vários tradutores)

“História da menina perdida”, de Elena Ferrante (trad. Maurício S. Dias)
“Nosso homem em Havana”, de Graham Greene
“Fim de caso”, de Graham Greene
“O poder e a glória”, de Graham Greene
“O fator humano”, de Graham Greene
“Trem de Istambul”, de Graham Greene
“O terceiro homem”, de Graham Greene
“David Bowie – Biografia”, de Rob Scheffield
“O progresso do amor”, de Alice Munro
“A Ilha”, de Aldous Huxley

Boitatá
“Pode pegar!”, de Janaina Tokitaka

Boitempo
“Comum”, de Pierre Dardot e Christian Laval
“Parting ways”, de Judith Butler (trad. Rogério Bettoni)
“Reconstruindo Lênin: uma biografia intelectual”, de Tamás Krausz
HQ sobre a cadela Laika
Duas coletâneas sobre Revolução Russa (autores como Isaac Bábel e Vassili Rozánov), org. Bruno Gomide e Graziela Schneider
“Ruy Guerra – A Paixão Escancarada”, de Vavy Pacheco Borges
“The new Jim Crow: mass incarceration in the age of colorblindness”, de Michelle Alexander
“Escritos sobre Brecht”, de Walter Benjamin
“Para além do leviatã: Crítica do Estado”, de István Mészáros
“Os despossuídos: debates sobre a lei referente ao furto de madeira”, de Karl Marx
“Dicionário gramsciano”, organizado por Guido Liguori e Pasquale Voza
“Caminhos divergentes: judaicidade e crítica do sionismo”, de Judith Butler
“O uso dos corpos: Homo sacer, IV, 2”, de Giorgio Agamben
“Teoria geral do direito e marxismo”, de E. Paschukanis
“O capital, Livro III”, de Karl Marx
“A rebeldia do precariado”, de Ruy Braga
“Guerra e revolução?”, de Domenico Losurdo
“O Jovem Hegel”, de György Lukács

Brinque-Books
“O guardião da floresta”, de Heloisa Prieto

“Outras histórias que você já conhece”, de Heloisa Prieto
“Uma família é uma família é uma família”, de Sara O’Leary

Caminhos
“Nas sombras do amanhã”, de Johan Huizinga (trad. Sérgio Luiz)

“Dicção poética”, de Owen Barfield (trad. Sérgio Marinho)
“Sonetos de meditação”, de John Donne (trad. Afonso F. de Sousa)

Carambaia
“Jaqueta branca”, de Herman Melville (trad. Rogério Bettoni)

“A maravilhosa viagem de Nils Holgersson através da Suécia”, Selma Lagerlöf
“A guerra no ar”, de H.G. Wells
“O dorminhoco”, de H.G. Wells
“Imodéstia, capricho e Inclinações”, de Ronald Firbank
“O testamento de um excêntrico”, de Júlio Verne
Novelas não eróticas de Marquês de Sade ainda sem título

Casa da Palavra
“O coro dos defuntos”, de António Tavares

Com Arte
“Manual do aprendiz compositor”, de Jules Clay (trad. Lima Barreto)

Companhia das Letras
“Memórias” (título provisório), de Ai Weiwei

“Minha luta 5”, de Karl Ove Knausgård
“The morning star”, de Karl Ove Knausgård
“Estações” (título provisório, quatro vols.), de Karl Ove Knausgård
“Dublinenses”, de James Joyce (trad. Caetano Galindo)
“O rei pálido”, de David Foster Wallace (trad. Caetano Galindo)
“Em busca do tempo perdido”, de Marcel Proust (trad. Mario Sergio Conti)
“O gattopardo”, de Tomasi di Lampedusa
“Contos”, de Tomasi di Lampedusa
“Como se o mundo fosse um bom lugar”, de Marçal Aquino
“Carlos Lacerda”, de Mário Magalhães
“Europa Central”, de William T. Vollmann (trad. Daniel Pellizzari)
“F”, de Daniel Kehlmann
“O lugar mais sombrio”, de Milton Hatoum
“A revolução dos bichos”, de George Orwell (HQ de Odyr)
“Do Éden ao divã”, de Moacyr Scliar
“Crônicas judaicas” (título provisório), de Moacyr Scliar
“De poesia”, de Hilda Hilst
“De prosa”, de Hilda Hilst
“Noite dentro da noite”, de Joca Reiners Terron
“Bíblia grega” (trad. Frederico Lourenço)
“Guerra e paz”, de Liev Tolstói (trad. Rubens Figueiredo)
“Contos completos”, de Liev Tolstói (trad. Rubens Figueiredo)
“Infância, adolescência, juventude”, de Liev Tolstói (trad. Rubens Figueiredo)
“As metamorfoses”, de Murilo Mendes
“The schooldays of Jesus”, de J.M. Coetzee
“The lyrics: 1961-2012”, de Bob Dylan (trad. Caetano Galindo)
“O túmulo de Lênin”, de David Remnick
“Cabeças trocadas”, de Thomas Mann
“O eleito”, de Thomas Mann (trad. Claúdia Dornbusch)
“Confissões de Felix Krull”, de Thomas Mann
“Contos”, de Thomas Mann
“Mario e o Mágico”, de Thomas Mann
“Tetralogia de José e seus irmãos”, de Thomas Mann
“Sua Alteza Real”, de Thomas Mann
“Poesia e verdade”, de Thomas Mann
“Anna Kariênina”, de Liev Tolstói (trad. Rubens Figueiredo)
“Stálin”, de Simon Sebag Montefiore
“O jovem Stálin”, de Simon Sebag Montefiore
“Manifestos, panfletos e palavras de ordem”, (org.) Daniel A. Reis
“Doutor Jivago”, de Boris Pasternak
“Dostoiévski, a biografia”, de Joseph Frank
“O teatro de Sabbath”, de Philip Roth (reedição)
“Biografia de Lima Barreto”, de Lilia Moritz Schwarcz
“Biografia de Silvio Santos”, de Ricardo Valladares
“Uma história do samba”, de Lira Neto
“Diários da Presidência vol.3”, de Fernando Henrique Cardoso
“Clarice”, de Benjamin Moser (reedição)
“Biografia involuntária dos amantes”, de João Tordo
“É agora como nunca”, diversos poetas, org. Adriana Calcanhoto
“O que é o fascismo e outros ensaios”, de George Orwell
“Borges babilônico”, de Jorge Schwartz
“O espírito da ficção científica”, Roberto Bolaño
“Um sentimento estranho”, de Orhan Pamuk
“Compre-me o céu”, de Xinran
“Evaristo Carriego/Para seis Cordas/O Martin Fierro”, de Jorge Luis Borges
“Queer”, de William S. Burroughs
“O Livro de Moriarty”, de Arthur Conan Doyle
“Otelo”, de William Shakespeare
“Confissões”, de Santo Agostinho
“Educação sentimental”, de Gustave Flaubert
“A Árvore de Gernika”, de G. L. Steer
“O rei da vela”, de Oswald de Andrade
“Meus queridos estranhos”, de Livia Garcia-Roza
“Crepúsculo dos ídolos”, de Friedrich Nietzsche (reedição)
“Humano, demasiado humano II”, de Friedrich Nietzsche (reedição)
“Anna e o planeta”, de Jostein Gaarder
“Obras completas vol. 7”, de Sigmund Freud
“O fazedor de velhos”, de Rodrigo Lacerda (reedição)
“A teoria perfeita – uma biografia da relatividade”, de Pedro Ferreira
“A luta corporal”, de Ferreira Gullar
“Na vertigem do dia”, de Ferreira Gullar

Companhia das Letrinhas
“Nas águas do Rio Negro”, de Drauzio Varella

“Branco, Belo e Cinderelo”, de José Roberto Torero

Confraria do Vento
“Guardem as cinzas”, de Andrea Ferraz

“Depois do fim”, de Sérgio Bivar
“À sombra do pai”, de Wellington de Melo

DarkSide
“Hex”, de Thomas Olde Heuvelt

“Grief is the thing with feathers”, de Max Porter

Dybbuk
“Hímem”, de H.D (trad. Luciane Alves)

“Poemas”, de Leyzer Volf (trad Luciano Ramos Mendes)
“Poemas completos”, de Isroel Shtern (trad Luciano Ramos Mendes)
“Eu construí as barricadas”, de Anna Świrczynska (trad Piotr Kilanowski)
“Canções do gueto”, de Mordechai Gebirtig (trad. de Hanna Deutscher)
“Visagens do lago”, de Jana Bodnarova (trad. Waldo Motta)
“A árvore que veio de longe”, de Jana Bodnarova (trad. Waldo Motta)

Editora 34
“Contos de Kolimá” (vol 6), de Varlam Chalámov (trad. Nivaldo dos Santos)

“A escavação”, de Andrei Platónov (trad. Mário Ramos e Yulia Mikaelyan)
“Os sete enforcados”, de Leonid Andrêiev (trad. Nivaldo dos Santos)
“Sátántangó”, de László Krasznahorkai (trad. Paulo Schiller)
“Cartas” (título provisório), de Vincent van Gogh (trad. Jorge Coli e Felipe Martinez)
“A câmara escura de Dâmocles”, de W.F. Hermans (trad. Samuel Titan Jr.)
“Contos reunidos”, de João Antônio
“Calvário e porres do pingente Alfonso Henriques de Lima Barreto”, de João Antônio
“Abraçado ao meu rancor”, de João Antônio
“Malagueta, perus e bacanaço”, de João Antônio
“Leão de chácara”, de João Antônio
Diversos livros de Mário Pedrosa
“Teatro reunido” (título provisório), de Augusto Boal
Livro de Lucio Costa ainda sem título
Seis livros sobre a Revolução Russa, org. de Bruno Gomide
“Contos Reunidos”, de Fiódor Dostoiévski
“Humilhados e Ofendidos”, de Fiódor Dostoiévski
“Conversas de Refugiados”, de Bertolt Brecht

E-Galáxia
“A week on the concord and merrimack”, de H.D. Thoreau (trad. Silvana Silva, Marina Ernst, “Marcílio Garcia de Queiroga e Sérgio Leo”, cord. Denise Bottmann)

Vários guias de viagens de Zeca Camargo
“Meios e fins”, de Ricardo Piglia
“Poesia e Poética de Carlos Drummond de Andrade”, de John Gledson

Encrenca
“A nova Holanda”, de Sérgio Rubens Sossélla

Estação Liberdade
“A fórmula do professor”, de Yoko Ogawa

“Ensaio sobre o maníaco dos cogumelos”, de Peter Handke (trad. Augusto Rodrigues)
“Cada um morre por si”, de Hans Fallada (trad. Claudia Abeling)
“Medeia vozes”, de Christa Wolf (trad. de Carla Bessa)
“Malina”, de Ingeborg Bachman (trad. Carla Bessa)
“Meu nome seja Gantenbein”, de Max Frisch (trad. Carla Bessa)
“No país do cervo branco”, de Chen Zhongshi (trad Ho Yeh Chia)
“O garoto do riquixá”, de She Lao (trad. Márcia Schmaltz)
“Divã ocidental-oriental”, de J. W. Goethe (trad. Daniel Martineschen)
“O reflexo perdido e outros contos”, de E.T.A. Hoffmann (trad. Maria Aparecida Barbosa)
“Natan, o sábio”, de G. E. Lessing (trad. Saulo Krieger)
“Com toda franqueza”, de Richard Ford
Cartas trocadas entre Yukio Mishima e Yasunari Kawabata
“Rússia – A reconstrução da arquitetura na União Soviética”, de El Lissitzky

Faro Editorial
“O escravo de capela”, de Marcos Debrito

“Para amar Clarice Lispector”, de Emilia Amaral
“Para amar Graciliano Ramos”, de Ivan Marques
“A era dos mortos”, de Rodrigo de Oliveira
“A garota do lago”, de Charlie Donlea
“Morte lenta”, de Matthew Flitzsimmons

FTD
“Abecedário de personagens do folclore brasileiro”, de Januária Alves e Cezar Berje

Galera Record
“Contos da academia dos caçadores de sombras”, de Cassandra Clare, Maureen Johnson, “Sarah Rees Brennan”, Robin Wasserman

Globo
“O primeiro e o último verão”, de Letícia Wierzchowski,

Grua
“O Cristo recrucificado”, de Nikos Kazantzákis

HarperCollins
“Lab girl”, de Hope Jahren

“The underground railroad”, de Colson Whitehead

Intrínseca
“A brief history of seven killings”, de Marlon James

“As garotas”, de Emma Cline
“La frantumaglia”, de Elena Ferrante
“Beautiful things”, de Gin Phillips
“The chalk man”, de C. J. Tudor
“L’Amore molesto”, de Elena Ferrante
“Mitologia nórdica”, de Neil Gaiman
“Behind her eyes”, de Sarah Pinborough
“13 minutes”, de Sarah Pinborough
“The gentle way of Swedish death cleaning”, de Margareta Magnusson
“O livro dos Baltimore”, de Joël Dicker
“Biografia de Mário de Andrade”, de Jason Tércio
“Em nome dos pais”, de Matheus Leitão
“Quatro estações em Roma”, de Anthony Doerr
“Las cosas que perdimos en el fuego”, de Mariana Enríquez
“Everything I never told You”, de Celeste Ng

Iluminuras
“A idolatria poética ou a febre de imagens”, de Sérgio Medeiros

“As emas do general Stroessner”, de Sérgio Medeiros
“Contos frios”, de Virgilio Piñera

José Olympio
“Pescar truta na América”, de Richard Brautigan (trad. Joca Reiners Terron)
“Bartleby, o escrivão”, de Herman Melville (trad. A. B. Pinheiro de Lemos)
“Queijo”, de Willem Elsschot (reedição)
“A bagaceira”, de José Américo de Almeida

L&PM
“Histórias de Porto Alegre”, de Moacyr Scliar
“Histórias que os jornais não contam”, de Moacyr Scliar
“Crônicas médicas” (título provisório), de Moacyr Scliar
“Jane Eyre”, de Charlotte Brontë (trad. Rogério Bettoni)
“Amor e amizade & outras histórias”, de Jane Austen
“Lady Susan, os Watson e Sanditon”, de Jane Austen
“O homem invisível”, de H.G. Wells
“Macunaíma”, de Mário de Andrade
“Pic”, de Jack Kerouac

Mundaréu
“Contos holandeses” (1839-1939) – 18 contos de 18 autores (trad. Daniel Dago)

“Sobre pessoas velhas e coisas que passam…”, de Louis Couperus (trad. Daniel Dago)
“Uma confissão póstuma”, de Marcellus Emants (trad. Daniel Dago)
“Tolstói”, de Romain Rolland
“Andaimes”, de Mario Benedetti
“El país de la canela”, de William Ospina

Nós
“Conto de dois grandes Amores”, de Paulo Lins

“Projeto para psicomapeamento de Hamlet”, de Marcia Tiburi
“Descalço nos trópicos sobre pedras portuguesas”, de Thiago Camelo
“Lições de vertigem”, de Micheliny Verunschk
“Baleia assassina”, de Cintia Moscovich

Nova Aguilar
Obra completa de Fiódor Dostoiévski

Obra completa de José de Alencar
Obra completa de Edgar Allan Poe

Nova Fronteira
“O livro das virtudes”, de William J Bennett

“Romance de Dom Pantero no palco dos pecadores”, de Ariano Suassuna

Numa Editora
“Os discos do crepúsculo”, de Cadão Volpato

Objetiva
“Biografia de Stálin”, de Stephen Kotkin

Olho de Vidro
“Rosa”, de Odilon Moraes

“Se os tubarões fossem homens”, de Bertolt Brecht
Coletânea de poesia de Gabriela Mistral (trad. Leo Cunha)

Paz e Terra
“Os excluídos da história”, de Michelle Perrot (reedição)

Penalux
“Diolindas”, de Eltânia André e Ronaldo Cagiano

“Gravidade Zero”, de Alexandre Guarnieri
“Desolação”, de Edith Wharton

Poetisa
“A rainha fantasiosa”, de Jean-Jacques Rousseau

Planeta
“Tarântula”, de Bob Dylan (trad. Rogerio Galindo)

“Bonsai”, de Alejandro Zambra (trad. Josely Vianna Baptista)
“Múltipla escolha”, Alejandro Zambra (trad. Miguel del Castillo)
“O delírio total”, de Noman Ohler
“Heather, the totality”, de Matthew Weiner
“The coincidence makers”, de Yoav Blum
“O nome da morte”, de Klester Cavalcanti
“A longa jornada”, de Richard Adams (trad. Rogerio Galindo)
“Capão pecado”, de Ferréz
“Silêncio”, de Shusaku Endo
“Princesa de Papel”, de Erin Watt

Plataforma 21
“Todos, nenhum: simplesmente humano”, de Jeff Garvin

“O beijo do vencedor”, de Marie Rutkoski
“Suicides notes from beautiful girls”, de Lynn Weingarten

Rádio Londres
“O refugiado”, de Arnon Grunberg (trad. Mariângela Guimarães)

“Marcas de nascença”, de Arnon Grunberg (trad. Mariângela Guimarães)
“Tudo está tranquilo lá em cima”, de Gerbrand Bakker
“O desvio”, de Gerbrand Bakker (trad. Mariângela Guimarães)
“Corvo”, de A.J.A Symons (trad. Fernanda Drummond)
“Segunda mão”, de Michael Zadoorian (trad. Luis Reyes Gil)
“Consertando os vivos”, de Maylis de Kerangal (trad. Maria F. O. Couto)
“Se isto não é legal, o que é então?”, de Kurt Vonnegut (trad. Petê Rissatti)
“Instrumental”, James Rhoden (trad. Luis Reyes Gil)
“Preparação para a próxima vida”, de Atticus Lish (trad. Gianluca Giurlando)
“Plainsong”, de Kent Haruf (trad. Alexandre B. de Souza)
“Eventide”, de Kent Haruf (trad. Alexandre B. de Souza)
“Benediction”, Kent Haruf (trad. Alexandre B. de Souza)
“Mockingbird”, de Walter Travis (trad. Petê Rissatti)
“The queen’s gambit”, de Walter Travis (trad. Petê Rissatti)
“Augustus”, de John Williams (trad. Alexandre B. Souza)

Record
“Diário – versão integral”, de Anne Frank (trad. Cristiano Zwisele)

“Ferrugem”, de Marcelo Moutinho
“Obra completa”, de Alberto da Cunha Melo
“Sobre a sede”, de Vitor Hugo Brandalise
“Roberto Carlos e outros detalhes”, de Paulo César de Araújo
“A hipótese humana”, de Alberto Mussa
“Anita”, de Thales Guaracy
“Assim na Terra Como Embaixo da Terra”, de Ana Paula Maia
“Ferrugem”, de Marcelo Moutinho
“Olhos de carvão”, de Afonso Borges
“O tremor da terra”, de Luiz Vilela
“Ladainha”, de Bruna Beber
“Pelos caminhos do Rock”, de Eduardo Araújo
“Baladas proibidas”, de Gabriel Godoy e Bolívar Torres
“O fantasma”, de Jo Nesbo
“A companhia de Sharpe”, de Bernard Cornwell

Relicário
“Música ficta”, de Philippe Lacoue-Labarthe

“Não me esqueças”, de Babi
“Senhorita Aurora”, de Babi
“A Maldição de Stálin”, de Robert Gellately
“Biografia de Trotski”, de Robert Service

Reformatório
“Oito do sete”, de Cristina Judar
“Ninguém me ensinou a morrer”, de Mike Sullivan
“Escalpo”, de Ronaldo Bressane

Rocco
“The women in cabin 10”, de Ruth Ware

“Aqui estou”, de Jonathan Safran Foer (trad. D. Pellizzari e Maíra M. Galvão)
“The kingdom of speech”, de Tom Wolfe
“The noise of time”, de Julian Barnes
“Keeping an eye open”, de Julian Barnes
“Untangled”, de Lisa D’Amour
“40 stories”, de Donald Barthelme (trad. D. Pellizzari)
“Nevermoor: The death and life of Morrigan Crown”, de Jessica Townsend
Romance de Bernardo Ajzenberg
“Dicas da imensidão”, de Margaret Atwood
“Diário de um corpo”, de Daniel Pennac
“10:04”, de Ben Lerner
“Crave a Marca”, de Veronica Roth

SM
“Saga de um mundo perdido”, de Ricardo Maciel dos Anjos

Sesi-SP
“As armadilhas da fé”, de Octavio Paz (sairia pela Cosac)

“Ribolópolis”, de Andy Mulligan (sairia pela Cosac)
“Contos de fadas”, de Alexander Afanássiev (sairia pela Cosac)
“O que há de mais próximo da vida”, de James Wood (sairia pela Cosac)
“Caro Michele”, de Natalia Ginzburg (editado pela Cosac)
“A autobiografia de Alice B. Toklas”, de Gertrude Stein (editado pela Cosac)
“O homem sentado no corredor/A doença da morte”, de Marguerite Duras (editado pela Cosac)
“Autobiografia de todo mundo”, de Gertrude Stein (editado pela Cosac)
“Contos completos”, de Flannery O’Connor (editado pela Cosac)
“Anedotas do destino”, de Karen Blixen (editado pela Cosac)
“A fazenda africana”, de Karen Blixen (editado pela Cosac)
“Contos completos”, de Virginia Woolf (editado pela Cosac)
“Sete narrativas góticas”, de Karen Blixen (editado pela Cosac)
“Lexico famíliar”, de Natalia Ginzburg (editado pela Cosac)
“Três vidas”, de Gertrude Stein (editado pela Cosac)
“Mrs. Dalloway”, de Virginia Woolf (editado pela Cosac)

Sextante
“The neuroscientist who lost her mind”, de Barbara Lipska

Suma de Letras
“O bazar dos sonhos ruins”, de Stephen King

Três Estrelas
“O espírito do judaísmo”, de Bernard-Henri Lévy

“Biografia de Jorge Amado”, de Joselia Aguiar
“Nietzsche”, de Heinrich Mann (trad. Maria A. Barbosa e Werner Heidermann)

UBU
“Metafísicas canibais”, de Eduardo Viveiros de Castro
“A inconstância da alma selvagem”, de Eduardo Viveiros de Castro
Dois inéditos de Eduardo Viveiros de Castro

Unesp
“Poesia e verdade”, de Goethe

Via de Leitura
“O homem invisível”, de H.G. Wells
“A máquina do tempo”, de H.G. Wells

WMF Martins Fontes
“Pulga e espeto”, de Pieter Koolwijk

“Felicidade”, de Mies van Hout
“Red Rosa”, de Kate Evans
“Uma história de muita preguiça”, de Ilan Brenman

Zahar
“O homem invisível”, de H.G. Wells

“Estranho em nossa porta”, de Zygmunt Bauman
“Frankenstein”, Mary Shelley (trad. Santiago Nazarian)
“Volta ao Mundo em 80 Dias”, de Júlio Verne
“Mary Poppins”, de P. L. Travers
“Drácula”, de Bram Stoker (trad. Alexandre B. de Souza)
“Os Maias”, de Eça de Queirós
“Vinte anos depois: Edição Comentada”, de Alexandre Dumas
“La vie avec Lacan”, de Catherine Millot
“Einstein’s greatest mistake”, de Dvaid Bodanis
“Économie du bien commun”, de Jean Tirole
“A cura pelo espírito”, de Stefan Zweig
“Continente delvagem”, de Keith Lowe
“Drogas: as histórias que não te contaram”, de Isabel Clemente e Llona Szabó
“Pilar na China”, de Flávia Lins e Silva
“Histórias de Willy”, de Anthony Browne

Zouk
“Urug”, de Hella Haasse (trad. Daniel Dago)
“Woutertje Pieterse”, de Multatuli (trad. Daniel Dago)
“Kees, o menino”, de Theo Thijssen (trad. Daniel Dago)

 

Publicado em Sem-categoria | 2 Comentários